'Anitta é meiga e abusada e eu sou porrada, tiro e bomba', compara Valesca Popozuda

Funkeira Esclarece Que Não Existe Qualquer Rixa Entre as Duas

Foto: Agnews

Valesca Popozuda
 está de volta. A cantora, que estava viajando pelos EUA, voltou ao Brasil para gravar o videoclipe de "Beijinho no Ombro", sua nova música de trabalho. Valesca, famosa por seu "funk proibidão", decidiu apostar em uma canção mais leve, mas mesmo assim não conseguiu escapar das polêmicas. Desde que a música foi divulgada na internet, os fãs da funkeira começaram a apontar a letra como uma possível alfinetada à cantora Anitta. Em entrevista ao Yahoo! OMG,Valesca esclareceu que o tal "beijinho no ombro" não é para a cantora de "Show das Poderosas".
"Essa letra já estava pronta quando chegou em minhas mãos. Eu e meu amigo sempre falamos 'beijinho no ombro pra quem pode', daí meu empresário recebeu a música e disse que era a minha cara. Mas não é uma indireta pra ela", explica Valesca.
Enquanto os fãs de Popozuda detonam Anitta na internet, Valesca afirma que não existe qualquer rixa entre elas. "Eu sempre explico pros meus fãs que tem espaço pra todo mundo. Peço para eles não brigarem porque isso é uma bobagem. Já encontrei com ela, nos falamos normalmente", contou.
Valesca ainda falou o que pensa sobre o trabalho da cantora e comparou os diferentes estilos. "Eu ouço algumas músicas dela e acho legal. Ela é uma menina meiga e abusada. Eu sou funkeira. Sou tiro, porrada e bomba!", disparou.
A cantora ainda revelou pra quem vai seu "beijinho no ombro". "Um beijinho no ombro é pra quem fecha com o bonde, meus fãs que eu amo e tenho paixão. O outro é pro recalque passar longe que é pra aquelas que falam mal e são despeitadas", contou.
Polêmica até nos EUA
Já sobre a história de que não poderia mais entrar nos EUA, após ter sido processada por cancelar os três shows que faria no país, Valesca disse que não passa de boato divulgado por um jornalista. "Já fui vítima de fofocas e notas maldosas várias vezes, mas dessa vez pegaram pesado. Sempre achei que na faculdade era ensinado a checar a veracidade dos fatos, até mesmo entrar em contato e perguntar se a história procede. Infelizmente, não é isso o que acontece. Mas graças a Deus provei a verdade e ela sempre prevalece, finalizou.